linkedin ou lattes

LinkedIn ou Lattes: diferenças e como se destacar para aumentar chances de contratação

LinkedIn ou Lattes? Se você quer aprimorar a sua colocação profissional ou acadêmica, é provável que vá esbarrar nesses nomes em suas buscas pela internet.

Afinal, qual é a diferença entre essas plataformas? Eu preciso obrigatoriamente ter as duas? Quais são as vantagens de cada uma delas?

Nós explicamos.

De maneira breve, o Lattes é totalmente voltado para o mundo acadêmico. Ou seja, se você tem a ambição de participar de algum processo seletivo de mestrado ou mesmo especialização na universidade, é melhor ir se mexendo.

Já o LinkedIn apresenta uma pegada mais de mercado de trabalho. É lá que você poderá se posicionar sobre temas que envolvem a sua área de atuação e, claro, fazer muitos contatos profissionais e se relacionar com eles (o famoso networking).

Entenda abaixo como funciona cada uma dessas plataformas e não deixe de conferir as melhores dicas para você elaborar ou aprimorar o seu perfil no LinkedIn ou Lattes.

LinkedIn ou Lattes? Entenda a diferença

Linkedin

linkedin

Voltada para relacionamentos profissionais, o LinkedIn é uma rede social em que você pode manter uma lista de contatos próximos e outros tantos que te inspiram. Também serve para encontrar empresas do seu interesse e seguir as inovações das companhias para impactar o mercado.

No “feed” do LinkedIn, você poderá acompanhar a atualização de status de analistas, gerentes, CEOS e ainda ter acesso a uma gama de artigos sobre os mais variados temas.

Habilidades do futuro, marketing, experiência do usuário, vendas e home office são apenas uma amostra do que é discutido todos os dias na plataforma e que você pode acompanhar como e quando desejar.

Mas não é só isso. Na aba “Assuntos mais discutidos”, você tem acesso aos temas relevantes daquele dia ou semana na rede social e, de quebra, acompanha a opinião dos principais influenciadores da sua área.

Outro grande diferencial é que o LinkedIn divulga as principais oportunidades de trabalho no Brasil e mundo afora. Para ter acesso a essas vagas (e se candidatar, claro), basta direcionar os alertas para área de atuação e localização de onde você gostaria de trabalhar.

Ah, você também pode receber esses alertas por e-mail!

O LinkedIn também é frequentemente utilizado por recrutadores para analisar possíveis candidatos e até mesmo fazerem propostas.

Por isso, a importância de ter um LinkedIn sempre bem atualizado com as suas experiências profissionais e áreas de interesse é importante.

Em muitos cenários, o LinkedIn acaba substituindo o famoso currículo em papel, principalmente quando falamos de empresas multinacionais.

Quem sabe um recrutar não bate na sua porta (caixa de entrada) com uma oferta de emprego irrecusável?

Lattes

lattes

É possível que por influência de algum professor da faculdade você até já tenha começado a estruturar o seu Lattes, mas se ainda não agilizou isso, que tal aproveitar a oportunidade?

O Lattes nada mais é do que um currículo voltado para o âmbito acadêmico. Nesse espaço você poderá colocar toda a sua trajetória na universidade e incluir congressos entre outros eventos que já marcou presença.

Ele também funciona como um registro dos artigos, TCCs, entre outros trabalhos desenvolvidos e que envolveram algum tipo de metodologia científica.

Diferente do LinkedIn, no Lattes você não poderá interagir ou comentar sobre algum assunto que esteja no centro das atenções naquele momento.

É importante ter a consciência, porém, de que ele é adotado por todas as universidades do país onde há incentivo e fomento à pesquisa.

Trata-se, portanto, de um grande acervo da produção intelectual brasileira. 

A apresentação do seu perfil no Lattes também é uma exigência para processos de seleção como Mestrado e Doutorado, sejam eles de instituições públicas ou privadas. 

Mas… por que Lattes?

Ainda em 1980, o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Pesquisa) desenvolveu uma plataforma integrada com a utilização de um formulário padrão para catalogar e registrar os pesquisadores brasileiros e suas produções.

Essa base de dados recebeu o nome de Lattes em homenagem a um dos maiores cientistas do país, o físico e professor César Lattes.

Como se destacar no LinkedIn

Com 41 milhões de usuários somente no Brasil, o LinkedIn é uma imensa oportunidade de apresentação de conteúdo, networking e exposição de empresas. Por isso é tão importante que você invista na otimização do seu perfil com informações organizadas e objetivas.

Veja algumas dicas para fazer o seu perfil bombar na rede:

1) Atualize seu perfil 

De nada adianta criar o perfil na plataforma se você não o atualiza.

Seja você um profissional que está em busca de colocação, empreendedor ou funcionário de alguma empresa há mais tempo, é importante que compartilhe notícias, interaja com colegas de profissão e, claro, escreva posts construtivos e que combinem com a rede social.

2) Escreva um resumo claro e objetivo

Não há fórmula certa se o ideal é apresentar as suas experiências profissionais na primeira ou terceira pessoa. A única regra é que você seja objetivo e certeiro no que vai comunicar.

Procure analisar como outros profissionais que você admira se posicionam no LinkedIn e se inspire nessas referências.

vestibular athon blog

O importante, aqui, é dizer a que veio, evitando muitos detalhes. Deixe para completar o restante no item “Experiência”.

Ah, nem precisamos dizer que a foto deve ser profissional, né?

3) Personalize a URL

Uma dica simples, mas que vai ajudar você a divulgar o seu perfil do LinkedIn em outros meios é personalizar a URL.

Para isso, clique no ícone Eu (parte superior da página inicial), visualizar, editar perfil público e editar URL.

4) Adicione novas seções

Você é daqueles que adora se envolver em projetos extras ou trabalhos voluntários de impacto? Então não deixe de tornar essas experiências visíveis também no LinkedIn.

Evidente que tudo o que você postar deve ter algum tipo de relevância. Esse trabalho voluntário impactou positivamente no profissional que você se tornou hoje? Se sim, inclua no item Experiência de Voluntariado.

Prêmios, idiomas  e até publicações acadêmicas também podem ser adicionados na aba Conquistas. Mas não esqueça: tudo com parcimônia, ok?

5) Português ou inglês?

Exceto se você estiver procurando uma vaga em outro país, a dica é sempre montar o seu perfil no idioma nativo, em nosso caso, português. O LinkedIn, entretanto, oferece a opção “criar perfil em outro idioma”.

Nesse caso você poderá traduzir as informações que a própria plataforma irá espelhar os dados.

Lembre-se: a função que você ocupa hoje e as relações profissionais que estabelece exigem que você se comunique em um segundo ou terceiro idioma? Se oriente pela necessidade e, claro, se você for fluente na língua.

6) Conecte-se com pessoas que você ainda não conhece

O LinkedIn é a principal rede profissional para você estabelecer networking e ampliar seus contatos profissionais, portanto por que não aproveitar essa ferramenta?

Siga profissionais que você admira, busque pessoas que você conheceu em empregos anteriores e, por que não, adicione também o colega da pós ou daquele curso que você fez há alguns anos.

Importante: A interação é peça-chave para o seu bom posicionamento no Linkedin. Além do que, você também não sabe quais conexões poderão ser estabelecidas mais à frente.

Como se destacar no Lattes

1) Reúna todos os documentos e busque referências

Antes de começar a preencher o seu currículo Lattes, faça uma compilação e separe todos os documentos, certificados, diplomas, publicações e participação em eventos.

Depois disso, observe como seus professores ou outros pesquisadores costumam organizar essas informações.

2) Regra de ouro: atualize sempre

Assim como o LinkedIn, o Lattes também exige atualização das informações. Participou de algum congresso? Foi coautor de algum artigo publicado em revista científica? Está participando de algum projeto de extensão?

Todas essas informações são válidas (e agregam) para o seu Lattes!

3) Informe sua atuação profissional

Diferente do curriculum Vitae (que serve como apresentação da sua trajetória profissional e educacional para alguma vaga específica de trabalho), o Lattes é voltado especificamente para ambições acadêmicas.

Mesmo assim é importante que você inclua a sua atuação profissional do momento.

No campo “Atuação profissional” você precisa responder somente “Sim” ou “Não” para a pergunta: “Alguma atuação profissional no momento?”.

Se a resposta for “Sim” abrirá um campo para você inserir a “Instituição”, “País, “Tipo de vínculo”, “cargo”.

4) Não economize informações

Como já comentamos, o currículo Lattes é o registro, uma base de dados de toda a sua trajetória acadêmica. Portanto diferente do LinkedIn ou do currículo Vitae, onde você deve ser objetivo, no Lattes, quanto mais informações, melhor.

Nele você pode e deve mencionar de forma detalhada, toda a produção intelectual associada à sua área de atuação.

5) Reforce os destaques

A plataforma Lattes também apresenta uma seção para incluir prêmios e títulos. Portanto, se ao longo da sua trajetória acadêmica ou profissional você recebeu algum tipo de destaque, pode adicionar essas informações na aba Prêmios e Títulos.

Vale até mesmo indicações a prêmios de iniciação científica, destaque em feiras dedicadas à pesquisa ou prêmios recebidos na área de trabalho.

Valorize o que você fez até aqui.

Que tal começar a criar o seu perfil?

LinkedIn ou Lattes? Agora que você já entendeu os objetivos de cada uma dessas plataformas, poderá escolher em qual se colocar.

Importante ressaltar que a presença em uma delas não anula a participação na outra.

Apenas defina as suas intenções e comece agora mesmo a preencher seu perfil.

Lembre-se: tanto o Lattes quanto o LinkedIn são ferramentas que exigem tempo de preenchimento.

Reúna as informações e complete tudo com calma. Mais vale alguns dias para ver tudo pronto, do que inserir informações desencontradas ou, pior ainda, com erros gramaticais.

Depois de pronto, aproveite para navegar e verificar o que andam fazendo os profissionais que você admira ou pesquisadores que já utilizou como referência acadêmica.

Quer receber informações sobre inovação e mercado de trabalho?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.