Analista de investimentos

Analista de Investimentos: O que faz, Quanto ganha e Como se tornar um (2021)

Você sabe o que faz um analista de investimentos?

Certamente você já deve ter ouvido que para o nosso dinheiro render é necessário fazê-lo trabalhar por nós.

Ou seja, investir é sempre a melhor maneira de conseguir prosperar financeiramente.

Porém, fazer investimentos requer muita análise, logo que, quanto maiores os rendimentos, maiores também são os riscos.

E nessa via de mão dupla, como saber qual é a melhor ação para fazer aplicações?

É aqui que entra o papel do analista de investimento, dando orientações precisas, com base em diversas observações do mercado e da economia.

Quer saber mais sobre essa carreira? 

Nesse artigo falaremos tudo sobre essa que é uma das profissões mais em alta da atualidade.

Afinal, o que faz um analista de investimentos?

O analista de investimentos acompanha e auxilia o investidor na tomada de decisão sobre seus investimentos monetários.

Esse profissional faz profundas análises dos diversos fatores que influenciam o desempenho das ações, tais como a conjuntura econômica, balanço de empresas e situação atual do setor.

Com base nesses dados e estudos, o analista de investimento oferece suporte total ao cliente, dando a ele maior respaldo e segurança sobre a ação a qual aplicará seu dinheiro.

Mas, o trabalho do analista de investimentos não para por aí.

Para além de aconselhar quais são as melhores aplicações, o profissional também faz um acompanhamento constante, avaliando a viabilidade de continuação da estratégia inicial de investimento, ou mudança de direção, seja nos produtos ou no papel.

Sendo assim, é sua função produzir recomendações ao cliente sobre manutenção, compra ou venda de papéis, comparando seu preço-justo à cotação presente.

Onde um analista de investimentos pode trabalhar?

É importante salientarmos que, apesar de chamarmos de “investidor” seu cliente, o analista de investimentos não necessariamente trabalha apenas para pessoas físicas.

Sim, essa também é uma viabilidade, porém, não é a única.

Esse profissional pode oferecer seus serviços à clientes de atuações bem distintas, tais como:

  • Corretoras de valores;
  • Gestoras de investimentos;
  • Banco de investimentos;
  • Consultorias de investimentos.

Há também a possibilidade de trabalhar autonomamente, prestando serviços particulares sem ter vínculo empregatício com alguma instituição atuando, assim, como empreendedor.

Quanto ganha um analista de investimentos?

salário de analista de investimentos

O analista de investimento tem um salário inicial de R$ 3.566,00 e pode chegar a R$ 8.023,00, segundo dados do site vagas.com.br.

Ainda, segundo o mesmo site, a média salarial no Brasil é de R$ 5.280,00.

Esses, porém, são dados que refletem a realidade de empregados assalariados. 

Ou seja, os ganhos podem ser ainda maiores para os autônomos.

Conforme seu modo de trabalho e quantidade de acertos em seus aconselhamentos, o pagamento pelo serviço prestado pode chegar a estimativas de R$ 25.000,00.

Qual a diferença entre analista técnico e analista fundamentalista?

Se você chegou até aqui, certamente deve estar ao menos considerando seguir essa carreira (ainda mais após mostrarmos as projeções salariais, não é mesmo?)

Se esse é o seu caso, é importante conhecer duas modalidades de atuação: o analista técnico e o fundamentalista de investimentos.

Vamos começar pelo primeiro…

O analista técnico de investimentos trabalha com base na análise de gráficos dos movimentos do mercado (ao ponto de tal técnica ser conhecida também como análise gráfica).

Assim, ele faz projeções de tendências, porém, para o curto prazo, com recomendações válidas para, no máximo, algumas horas.

Já o analista fundamentalista faz um estudo mais profundo, analisando fatores como a economia, mercado, setor ao qual a empresa está inserida e, principalmente, relacionadas diretamente ao cliente, visando rentabilidade, bem como estabilidade financeira.

Ao contrário do analista técnico, o fundamentalista realiza projeções para médio e longo prazo, podendo ser para semanas, meses e até mesmo anos.

Conhecer as modalidades de atuação, para além de apenas entender qual melhor se encaixa no seu perfil, também é essencial para saber quais caminhos tomar na hora de se tornar um analista de investimentos, como você verá a seguir.

Como se tornar um analista de investimentos?

O exercício formal da profissão de analista de investimentos não exige, necessariamente, uma formação superior específica.

Porém, em seu cotidiano, este profissional lida diariamente com questões financeiras que requerem conhecimentos específicos e aprimorados (afinal, seu trabalho é, literalmente, mexer com o dinheiro do cliente).

Por isso, apesar da não necessidade de formação acadêmica, ela é sempre muito bem-vinda, logo que contribui fortemente para que o analista esteja preparado, de forma técnica, para o dia-a-dia.

Uma excelente recomendação é o Curso de Gestão Financeira, no qual o aluno se aprofunda nos estudos de gerenciamento financeiro de empresas, o tipo de conhecimento fundamental para qualquer analista de investimento.

Porém, a não necessidade de um diploma de ensino superior não o isenta de passar por algumas avaliações que o certifique formalmente para o exercício da profissão.

Sendo assim, o primeiro passo para se tornar analista de investimento é escolher qual modalidade deseja atuar: técnico ou analista, logo que, para cada um há uma prova certificatória específica.

Para quem deseja ser analista técnico, é preciso tirar a certificação conhecida como CNPI-T, já para quem quer atuar como fundamentalista, a certificação correta é a CNPI.

Há também a possibilidade de atuar nos dois segmentos, no caso, como analista sênior, ou pleno e, nesse caso, a certificação recomendada é a CNPI-P.

Seja qual for a certificação desejada, todas são emitidas pela Associação de Analistas e Profissionais do Mercado de Capitais (Apimec), por meio de exames realizados em centros de testes da Fundação Getúlio Vargas (FGV), espalhados por todo o Brasil.

As provas são separadas em duas etapas.

A primeira é chamada de Conteúdo Brasileiro (CB), composta por questões sobre Sistema Financeiro Nacional, Mercado de Capitais, Ativos de Renda Fixa, Mercado de Derivativos, Conceitos Econômicos, Ética e Relacionamento e Governança Corporativa.

Aprovado nessa etapa, que exige 70% de acertos de 60 questões de múltipla escolha, a serem respondidas em duas horas, há duas possibilidades ao candidato:

  1. Conteúdo Global 1 (CG1)

Essa prova é destinada ao profissional que deseja ser analista fundamentalista

Também contém 60 questões de múltipla escolha e duas horas de duração, com temáticas sobre Análise e Avaliação de Ações e Finanças Corporativas e Contabilidade Financeira e Análise de Relatórios Financeiros.

  1. Conteúdo Técnico 1 (CT1)

Na CT1, destinada a analistas técnicos, o padrão de quantidades de questões e tempo de realização é igual, com a diferença dos conteúdos, que abrangem:

  • Princípios de Análise Técnica;
  • Dow, Elliott, Fibonacci e Candle Stick;
  • Retas, Tendências e Médias móveis;
  • Stop, Suporte e Resistência;
  • Volume & Contratos em Aberto.

Assim, é possível realizar apenas uma das provas para conquistar a certificação de atuação específica. 

Porém, caso o candidato deseje ser habilitado para atuar em ambas as modalidades e ter a certificação CNPI-P, é preciso ser aprovado nos três exames.

Por que o analista de investimentos é uma das profissões em alta no mercado financeiro?

Apesar da pandemia de COVID-19 que assolou o mundo todo, o mercado financeiro teve um dos anos mais movimentados em 2020.

Só no Brasil, 28 empresas abriram capital na bolsa de valores brasileira (B3), um movimento não visto em 13 anos.

Mas, não foram apenas as empresas que entraram na B3.

Mais de 3 milhões de pessoas físicas abriram conta na bolsa brasileira, o que simboliza quase que o dobro do mesmo número, em comparação a 2019.

Ou seja, é um segmento que está em plena expansão e que não tem previsão de estagnação.

Um relatório sobre Guia Salarial 2021, feito pela consultoria de recursos humanos Robert Half, mostra que a profissão como analista de fusões e aquisições está entre as profissões do ramo financeiro mais em alta neste ano.

É uma profissão que abre muitas possibilidades de atuação, e com o claro aumento de demanda, diversos bancos e instituições financeiras passam a procurar tais profissionais, pagando excelentes salários.

Porém, para isso, é preciso manter as especializações em dia.

Garantir as CNPI’s é importante, mas não deve parar por aí.

Outros certificados, inclusive internacionais, são de extrema importância para tais contratações e até mesmo atuação fora do país.

Exemplos de excelentes certificações são a Certificação de Gestores ANBIMA (CGA), a Certified Financial Planner (CFP) e a tão desejada Chartered Financial Analyst (CFA), pelo seu reconhecimento global.

Ser analista de investimento é uma aposta certeira!

Se saber analisar é um requisito mínimo para essa profissão, por esse texto já deu para perceber que ser analista de investimento traz excelentes retornos.

É uma profissão de extrema responsabilidade, mas, que oferece ótimas remunerações.

Quer receber informações sobre inovação e mercado de trabalho?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.